18 de novembro de 2020 – N.º 1.548

“Não existe desincorporação de tecnologias. Temos a acumulação”, explica especialista durante o painel no 23° Congresso Internacional UNIDAS

No último dia do 23° Congresso Internacional UNIDAS – Novas Perspectivas da Saúde: 2020 Como o Divisor de Águas, em 13 de novembro, o painel sobre incorporação sustentável de tecnologias contou com palestras de Vera Valente, diretora executiva da Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde); Ricardo Maykoy, diretor comercial da Novartis; e Juliana Busch, diretora de previdência e assistência da Caixa de Previdência e Assistência dos Servidores da Fundação Nacional de Saúde (Capesesp). A moderação foi de Goldete Priszkulnik, executiva médica em gestão em saúde. 

Vera Valente levantou o debate sobre os processos de avaliação de novas tecnologias em saúde, de forma a torná-los mais eficazes, seguros para os pacientes e aderentes a custos e limites orçamentários enfrentados pelos sistemas público e privado, considerando especialmente que, no sistema de saúde, a demanda pelos serviços é sempre superior aos recursos disponíveis. “As novas tecnologias convivem com as antigas. Não existe desincorporação de tecnologias. Temos a acumulação. Com isso, a gente tem um aumento considerável nos custos, que vão se acumulando”, afirmou.

A palestrante levantou questões sobre os quimioterápicos orais e como as operadoras já cobrem voluntariamente alguns procedimentos que não estão no rol. “As novas tecnologias só estão disponíveis para os pacientes graças aos planos de saúde. Somos os principais aliados de quem precisa de acesso à saúde de ponta.” Vera também falou sobre a importância de criar uma régua justa para incorporação de tecnologia, de forma criteriosa, técnica, com fatos e dados. “Precisamos trabalhar com incorporação criteriosa, modelos de compartilhamento de risco e discutir o preço para incorporar essa tecnologia”, finalizou.

Em seguida, Ricardo Maykoy trouxe um pouco de sua visão sobre essa incorporação, a sustentabilidade e o papel da indústria. “Para que tenhamos um modelo sustentável, as pessoas precisam conseguir pagar, ele precisa ser bem aceito tanto pelo paciente, quanto pelo prestador, e precisa ser adepto às mudanças e às novas tecnologias”, acrescentou.

No entanto, Ricardo apontou dois fatores que interferem nessa sustentabilidade. Um fator interno, que seria o modelo de remuneração, em que muitas vezes o prestador pode onerar o sistema e o um fator externo, que seria a pirâmide populacional e seu envelhecimento. “Onde está a solução? Trabalhar com modelos que promovam saúde e prevenção”, explica o palestrante afirmando que, para a indústria, cabe a análise de até onde a inovação pode onerar o sistema e como trabalhar com inovação responsável. Precisamos ter uma visão a longo prazo, trabalhar com cocriação e desenhar a quatro mãos, sem ficar separação entre público e privado”, acrescentou.

Para finalizar as apresentações, Juliana Busch explicou que “na visão das autogestões, a incorporação de tecnologia com sustentabilidade se aplica ainda mais, especialmente porque os nossos beneficiários podem ficar décadas conosco, enquanto nos demais planos, a média de permanência é de dois a três anos.”

Juliana citou alguns exemplos de como a Capesesp faz isso, como os quimioterápicos orais, que foram incorporados pela autogestão há 10 anos, antes mesmo de serem previstos o rol, e a importância de conhecer o perfil epidemiológico da carteira para entender se aquela incorporação é viável ou não. A palestrante também levantou questões sobre o impacto do envelhecimento populacional, engajamento do paciente e seus hábitos, não somente daqueles que geram sinistro, mas de todos, para que seja possível trabalhar com promoção à saúde e prevenção de doenças.

“É importante conhecer o perfil da sua carteira. Se você não souber para quem você está ampliando o acesso àquela tecnologia, a conta não fecha. Conhecer a sua carteira, utilizar ferramentas de tomada de decisão, estudar, trabalhar com dados e indicadores são fundamentais para que a gente possa pensar na incorporação de tecnologias e, consequentemente, ter a sustentabilidade do sistema”, finalizou.

Acervo

Informamos que as gravações das palestras ficarão disponíveis exclusivamente para os participantes, no hall virtual do evento, até o dia 31 de dezembro. Lá você fica por dentro de tudo o que aconteceu e pode assistir a todos os debates novamente, onde e quando quiser.

Os certificados dos participantes ficarão disponíveis para impressão em 15 dias, no hotsite do Congresso.

As apresentações dos palestrantes ficarão disponíveis para download no hotsite do nosso evento, a partir do dia 23 de novembro.

No canal da UNIDAS no YouTube também é possível assistir algumas gravações, como a abertura oficial do evento, a palestra magna de Gonzalo Vecina e o painel que abordou o Futuro de Modelos de Remuneração Baseados em Valor (com opção de áudio original em inglês ou tradução em português).

As imagens e os melhores momentos do 23º Congresso Internacional UNIDAS já estão disponíveis em nossas redes sociais: FacebookLinkedInTwitter e Instagram.

Avaliação

Para que possamos aprimorar cada vez mais nossos eventos, contamos com sua colaboração. Não deixe de avaliar os painéis destes três dias de trabalho, que estão disponíveis no hall virtual do evento, por meio de QR Codes no menu “reveja o conteúdo”. Você também pode acessá-los nos links abaixo.

Link 11 de novembro (pré-congresso) : https://forms.gle/SgCAirHVE8mnfkJj8

Link 11 de novembro: https://forms.gle/fsWhg1VEjLGHVxgEA

Link 12 de novembro: https://forms.gle/rgJFidXi5NxHqPF8A

Link 13 de novembro: https://forms.gle/es7wu1dRQPuDZRJr5

Sobre o 23° Congresso UNIDAS

O 23° Congresso Internacional UNIDAS – Novas Perspectivas da Saúde: 2020 Como o Divisor de Águas foi transmitido diretamente da Casa de Campo do The Royal Palm Plaza, em Campinas-SP, aconteceu em formato híbrido entre os dias 11 a 13 novembro, com participação presencial restrita, seguindo todas as medidas de segurança e higiene recomentadas pelos órgãos nacionais e internacionais de saúde e governamentais. A iniciativa contou com painéis diversificados e inovadores, com temas relevantes e atuais, e palestrantes internacionais.

Veja também:

Participação presencial no 23° Congresso UNIDAS será restrita e seguirá todos os protocolos de segurança, incluindo equipamento para desinfecção