1° outubro de 2020 – N.º 1.502

Como otimizar o tratamento da insuficiência cardíaca é pauta de especialistas no UNIDAS Conecta

Miriam Marchese e Flávio Brito ministraram o evento e tiraram dúvidas do público

“Como Otimizar o Tratamento da Insuficiência Cardíaca para Melhor Utilização dos Recursos” foi tema do UNIDAS Conecta na última terça-feira (29), com apoio da Novartis. Miriam Marchese, médica cardiologista, membro da CRNT e membro da CNRT da UNIDAS, e Flávio Brito, coordenador clínico do serviço de transplante cardíaco do HC-UNESP e diretor científico do INDACOR – Cardiolodia e Clínica Médica, foram os responsáveis pela informação do tema ao público.

Miriam abriu o evento explicando sobre a Insuficiência Cardíaca (IC): “é uma síndrome clínica complexa, na qual o coração é incapaz de bombear sangue de forma a atender às necessidades metabólicas do organismo. É uma doença extremamente prevalente, com cerca de 38 milhões de portadores no mundo, sendo quase três milhões no Brasil”.

“A doença isquêmica é a principal causa da IC. Cerca de 50% dos pacientes com insuficiência cardíaca morrem em cinco anos. A morte súbita é a principal causa, principalmente em pacientes da classe funcional II”, explicou a médica.

Em sequência, Flávio Brito ressaltou a importância da patologia em questão no cenário da saúde mundial. “Insuficiência cardíaca é uma doença letal, doença dispendiosa e extremamente frequente”, esclareceu.

O diretor científico pautou o tema em relação aos pacientes hospitalizados, assistência médica e pacientes ambulatoriais. “A reabilitação mental e o engajamento faz parte do contato ambulatorial e hospitalar. É importante engajar o paciente em seu tratamento”, disse.

Ao final do evento, os palestrantes abriram para perguntas do público e tiraram as dúvidas ao vivo. O vídeo completo está disponível no canal na intranet da UNIDAS, apenas para filiadas, basta clicar aqui.

No Conecta, cedemos espaço para que prestadores de serviços e empresas parceiras compartilhem informações e soluções com as operadoras autogestão em saúde. As informações e posições compartilhadas neste evento refletem as opiniões pessoais dos participantes.